Google está trabalhando em novo sistema operacional

Empresa está trabalhando em seu mais novo projeto: o sistema Fuchsia.
1414228815325188681

A Google, que antes apenas oferecia seus serviços para outros sistemas operacionais através da internet, se mostrou interessada em desenvolver seu próprio sistema em 2005, quando comprou a Android Inc.(a empresa por trás da criação do sistema Android) e utilizou seu sistema como plataforma de integração com os famosos serviços oferecidos pela empresa. O Android, lançado em 2008, vem se tornando o principal sistema para dispositivos móveis disponível no mercado.

Para computadores, a solução da Google foi interna e em 2009, seus programadores já trabalhavam no que se tornaria o ChromeOS, sistema da Gigante das Buscas para computadores e laptops baseado em linux e com foco em serviços na web lançado em 2010.

(Será que o Fuchsia representa o futuro da empresa?)

(Será que o Fuchsia representa o futuro da empresa?)

Agora, descoberto através da plataforma de hospedagem de projetos Github, a empresa parece estar desenvolvendo um sistema inteiramento novo, abandonando o kernel do Linux. O projeto, chamado de Fuchsia, usa como kernel uma versão modificada do littleKernel, que normalmente é usado em aparelhos com hardware simples para rodar tarefas básicas, o sistema é feito em DART(linguagem própria da empresa), conta com interface construída com o Flutter(capaz de criar aplicativos de Android e iOS com o mesmo código) e um motor de renderização chamado de Escher. A versão do littleKernel usada pela Google(chamada de Magenta) foi atualizada para ter funções de sistemas operacionais mais maduros e consagrados, como a utilização de diversas contas de usuário e um sistema de permissões como o que acompanha as versões mais modernas do Android.

Vale notar que o Escher suporta os reflexos, sombreados e outros efeitos efeitos visuais comummente usados no Material Design, o que pode ser uma pista que o sistema manteria os traços já vistos no Android e no ChromeOS.

(O Material Design é o modelo de interfaces desenvolvido pela Google usado atualmente em todos os seus sistemas)

(O Material Design é o modelo de interfaces desenvolvido pela Google usado atualmente em todos os seus sistemas)

O que isso significa na prática? Seria esse o fim dos outros dois sistemas da empresa?

A resposta curta é “Não”, pois embora a Google tenha se pronunciado positivamente quanto o interesse da fusão do Android com o ChromeOS, isso provavelmente se dará através das novas atualizações do ChromeOS que o tornaram capaz de rodar os aplicativos feitos para Android de forma nativa, aumentando significativamente a biblioteca de softwares para o sistema.

(Hoje os chromebooks já contam com  a playstore e conseguem rodar aplicativos de Android de forma nativa)

(Hoje os chromebooks já contam com a playstore e conseguem rodar aplicativos de Android de forma nativa)

O Fuchsia provavelmente será usado da mesma maneira que o sistema Tizen é usado pela Samsung, para integrar diferentes dispositivos com hardwares que vão desde processadores de arquitetura ARM, considerada mais simples, até dispositivos que contam com processadores X86 como notebooks e computadores de mesa. Na prática, o sistema seria usado em eletrodomésticos e outros aparelhos de menor grau de processamento para o que chamamos de Internet das Coisas(do inglês, Internet of Things), que visa integrar aparelhos diversos à internet para serem integrados com ecossistemas que já envolvem celulares e computadores.

(A Internet das Coisas visa unir todos os aparelhos que nos cercam em um único ecossistema)

(A Internet das Coisas visa unir todos os aparelhos que nos cercam em um único ecossistema)

Dada a proximidade do lançamento do Google Home, assistente pessoal com hardware próprio anunciado pela empresa durante a Google I/O, o novo sistema Fuchsia poderia ser a aposta da Gigante de Mountain View para seu novo produto. É possível também que os produtos da divisão NEST, voltada para câmeras de segurança e termostatos também contem com o sistema.

Google products

Com isso, é possível que vejamos no mercado diversos produtos como geladeiras, roteadores e máquinas de lavar rodando o sistema Fuchsia. Será que seria esse o próximo grande passo para a Internet das Coisas?

Matheus Oliveira
Matheus Oliveira
Serviço Social, Youtube e séries europeias. Escrevendo sobre tecnologia enquanto analiso e reverto a polaridade do fluxo de nêutrons. The Game is on, allons-y!
Recommended Posts

Leave a Comment